Categoria: Dados Públicos

setembro 6, 2017
julho 6, 2017
maio 19, 2017
maio 18, 2017
maio 12, 2017
abril 27, 2017

Auditoria técnica desconsiderou todos os argumentos do governo estadual para justificar a “engenheira financeira” no uso de impostos devidos pela Celesc em 2015. No campo jurídico, o Ministério Publico de Santa Catarina (MP-SC) também investiga o governador e o secretário de Fazenda desde dezembro de 2016 após representação da Federação Catarinense de Municípios (Fecam). A favor do Executivo e na esfera administrativa, um parecer do Ministério Público de Contas pede apenas o acompanhamento das alterações realizados pelo Executivo na legislação estadual para devolver recursos retidos nesta operação para os demais poderes e a Udesc no valor de R$ 130 milhões entre 2015 e 2016, R$ 198 milhões aos municípios e R$ 119,3 milhões do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

>>Leia mais Exclusivo: parecer do TCE-SC confirma crime de responsabilidade nas pedaladas de Colombo

abril 16, 2017
fevereiro 16, 2017

Auditoria do Tribunal de Contas diz que não é possível distinguir a propaganda institucional do governo estadual das peças usadas na eleição que reelegeram o atual governador. Técnicos também contestam uso de slogans em favor da atual gestão, anúncios de projetos e obras não concluídos e revelam uma reserva para gastos, em plena crise das contas públicas, de R$ 48,3 milhões em apenas nove meses de 2016, valor bem acima dos R$ 39,9 milhões de todo ano de 2015.

>>Leia mais Propaganda do governo Colombo é irregular, afirma Tribunal de Contas

fevereiro 8, 2017

Ex-secretário de Segurança de Florianópolis e delegado federal, Raffael De Bonna, é investigado por crime eleitoral pela Polícia Federal (PF). Inquérito aberto a pedido do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), ainda em agosto de 2016, também indiciou Júlio Pereira Machado, o Júlio Caju, na época no cargo de subsecretário da mesma pasta, e mais um guarda municipal. Segundo diálogos da operação Ave de Rapina selecionados pelos policiais federais, eles pressionaram e coagiram servidores da Guarda Municipal e da mesma secretaria a participarem de dois eventos políticos, em agosto e setembro de 2014, do pai do então prefeito César Souza Júnior, César Souza, candidato a deputado federal. >>Leia mais Policial Federal é investigado por crime eleitoral na campanha de Cesar Souza